Setores com desoneração contrataram 800 mil a mais do que segmentos reonerados

Economia

<img src=’https://img.r7.com/images/economia-moeda-realdinheiro-calculadora-24102023191222482′ /><br />

Desoneração impulsionou geração de empregos
Marcello Casal Junior/Agência Brasil – 16.9.2021

Os 17 setores da economia brasileira incluídos na desoneração da folha de pagamento geraram 800 mil empregos a mais que os segmentos que foram reonerados durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB). Os dados foram levantados a partir do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de 2018 a 2022. Eles são usados como elemento de pressão para reivindicar a sanção do projeto que prorroga a medida fiscal até 2027. 

Veja também

Brasília
Lula conversa com primeiro-ministro da Índia sobre Conselho de Segurança da ONU e G20

Brasília
Supremo Tribunal Federal decide que Justiça Militar pode julgar civis em tempos de paz

Brasília
Haddad agradece colaboração dos governadores na aprovação da reforma tributária

Quase 30 representações patronais assinaram em conjunto um ofício para pedir audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a fim de expor "com maior profundidade os elementos que fundamentam a necessária sanção da medida". Os setores afirmam que a medida é fundamental para a preservação de setores que geram 9,24 milhões de empregos formais diretos no Brasil, além de outros milhões de postos de trabalho nas redes de produção.

A partir de dados do Caged, os representantes observam que, em termos de evolução da empregabilidade, no período de janeiro de 2018 a dezembro de 2022, os setores desonerados contrataram mais de 1,2 milhão de novos trabalhadores, o que corresponde a cerca de 15,5% de crescimento, enquanto os setores reonerados contrataram pouco mais de 400 mil novos trabalhadores, o que equivale a 6,8% de crescimento. "Gostaríamos de apresentar-lhe esses e outros números, como o maior crescimento dos salários dos trabalhadores desses setores desonerados", diz o ofício.

• Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
• Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
• Compartilhe esta notícia pelo Telegram
• Assine a newsletter R7 em Ponto

Leia também

Lula pode sancionar desoneração da folha excluindo municípios da lista de beneficiados

Veto presidencial à desoneração da folha não teria explicação jurídica, dizem especialistas

PGR já se manifestou a favor da prorrogação da desoneração da folha no STF

A Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais (Brasscom) ressalta que ambos os grupos caracterizam-se por serem "intensivos em força de trabalho". A partir das variações dos empregos dos reonerados, a Brasscom estimou a perda de empregos e de arrecadação dos setores desonerados caso não estivessem contemplados com a medida. "Entre 2018 e 2022, mais de 650 mil empregos formais deixariam de ser gerados caso não houvesse a política, o que resultaria, inevitavelmente, em perda de arrecadação da Previdência Social (INSS) de mais de R$ 16 bilhões", afirma a entidade.

Entenda

O objetivo da desoneração é aliviar parcialmente a carga tributária. A medida está em vigor desde 2011, adotada durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Quando a concessão entrou em vigor, 56 setores eram contemplados, mas o ex-presidente Michel Temer (MDB) sancionou, em 2018, uma lei que removeu 39 segmentos do regime. A medida valeria até 2021 e foi prorrogada pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL).

Agora, o Congresso aprovou o projeto de lei que prevê a manutenção do regime fiscal até 2027. No entanto, a proposta está nas mãos de Lula, que precisa sancioná-la ou vetá-la até 23 de novembro. 

No que consiste a desoneração

Criada para estimular a geração e a manutenção de empregos, além de aumentar a competitividade das empresas por meio da diminuição dos impostos com funcionários, a desoneração consiste em um mecanismo que permite às empresas pagar alíquotas sobre a receita bruta, e não sobre a folha de pagamento.

Em vez de o empresário pagar 20% sobre a folha do funcionário, o tributo pode ser calculado com a aplicação de um percentual sobre a receita bruta da empresa, que varia de 1% a 4,5%, conforme o setor.

A contribuição não deixa de ser feita, apenas passa a se adequar ao nível real da atividade produtiva do empreendimento. Na prática, as empresas que faturam mais contribuem mais. Com isso, é possível contratar mais empregados.

Quais são os setores?
undefined

• Confecção e vestuário
• Calçados
• Construção civil
• Call centers
• Comunicação
• Construção e obras de infraestrutura
• Couro
• Fabricação de veículos e carroçarias
• Máquinas e equipamentos
• Proteína animal
• Têxtil
• Tecnologia da informação
• Tecnologia da informação e comunicação
• Projeto de circuitos integrados
• Transporte metroferroviário de passageiros
• Transporte rodoviário coletivo
• Transporte rodoviário de cargas
• Empregos e saláriosDados foram coletados de 2018 a 2022 e comparam números com áreas que saíram da desoneração durante o governo Temer Read More  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *